The Cellar

Uma familia acabou de se mudar para uma nova casa, mas depressa descobrem que algo de muito estranho se passa no local. Na primeira noite, a filha mais velha de Keira (Elisha Cuthbert) desaparece misteriosamente, ninguém consegue perceber o que aconteceu à adolescente até que Keira descobre uns símbolos estranhos nas portas da casa e também uma antiga gravação, ambas as coisas são pistas para Keira descobrir o que aconteceu à filha.

Crítica: Já vi muitos filmes de terror, é provavelmente o género que gosto mais, tive inclusive um site sobre o tema à muitos anos atrás e embora seja um género que simplesmente adoro tenho que reconhecer que existem muitos filmes maus, e existe geralmente muita repetição nas histórias e clichês.

Quantos filmes existem em que uma familia se muda para uma nova casa e descobre que algo errado se passa nesse local? A premissa inicial é aparentemente sempre a mesma, e isso pode cansar um pouco. O filme “The Cellar” começa com a mesma abordagem, mas à medida que a história vai avançado percebe-se que existe uma certa criatividade e originalidade na história.

Não é uma obra prima, mas é suficientemente interessante!

É estranho ver Elisha Cuthbert no papel de mãe, parece que foi ontem que a actriz participou no filme “The Girl Next Door”, provavelmente o filme mais conhecido dela, onde interpreta uma lindíssima e jovem pornstar. Depois desse filme desapareceu um pouco, participou em várias séries, mas desapareceu do grande ecrã e talvez seja por isso que foi um choque vê-la mais velha, num papel maternal… mas ninguém fica mais jovem certo? Bom, só o Benjamin Button claro.

Existem alguns momentos do filme que são simplesmente estranhos… Por exemplo logo no inicio quando a filha de Keira tem de descer à cave para ligar novamente a luz, toda essa cena é descabida. Ninguém até esse momento sabe que existe algo de errado na casa, e a miúda desce aqueles degraus completamente apavorada, porque? Não faz sentido.

O final é a parte pior claramente… é expectável que o espectador faça uma interpretação dos acontecimentos. A minha interpretação do filme é simples, a casa funciona como um portal entre este mundo e o inferno, este portal foi criado pelo antigo dono da casa depois do seu filho falecer, talvez a ideia fosse conseguir fazer um pacto com o diabo de forma a conseguir o seu filho de volta, claro que as coisas não correram bem.

O portal fica aberto quando o gramofone começa a tocar a formula matemática, coisa que aconteceu no inicio do filme. No final Keira consegue ir à outra dimensão resgatar a filha, mas acaba por descobrir que continua na mesma dimensão, toda a casa está nessa dimensão.

O filme tem todos os clichês esperados, algumas coisas sem sentido, mas boas interpretações, boa banda sonora e uma história minimamente interessante com um final um pouco frustrante. Não é uma obra prima, mas é suficientemente cativante para manter o espectador interessado.

Título Original: The Cellar (2022)
Realização: Brendan Muldowney
Argumento: Brendan Muldowney
Actores: Elisha Cuthbert, Eoin Macken, Dylan Fitzmaurice Brady
Género: Mistério, Terror
Avaliação: 5 out of 10 stars (5 / 10)

André Ramalho

Sou um apaixonado por filmes e cinema, e por isso resolvi criar este blog, com o intuito de partilhar as minhas opiniões e críticas sobre filmes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *